sábado, 20 de dezembro de 2008

PORQUÊ ADIAR MAIS 2 ANOS... QUANDO É POSSÍVEL INICIAR EM 3 MESES, AS OBRAS NO MERCADO DO BOLHÃO?

G E S T O C Í V I C O
MERCADO DO BOLHÃO 20 DE DEZEMBRO DE 2008, PELAS 8;00 HORAS


Porquê adiar mais 2 anos… quando é possível iniciar em 3 meses, as obras no Mercado do Bolhão?

O Movimento de Cidadãos e de Estudantes, pretende com mais este gesto cívico continuar a contribuir para o reforço democrático da identidade e do património. Não seremos coniventes quando a ambição económica insiste em desrespeitar as Pessoas e o Património edificado, alienando-o, numa atitude de profunda teimosia e ignorância face à importância da Memória Futura.

Esta hipótese de “reabilitação”, que mais não passa de uma devassidão sobre os valores sociais e culturais não salvaguarda o Mercado do Bolhão nem as pessoas que a ele dedicam a sua vida.

O presente executivo da Câmara do Porto, através do Sr. Dr. Rui Rio, assinou com o Senhor Ministro da Cultura, no dia 18 de Dezembro de 2008 um protocolo que provoca mais um adiamento na urgente intervenção de reabilitação do Mercado do Bolhão, para o segundo semestre de 2010.

O Movimento afirma que:

1. No prazo de 3 meses podem iniciar as obras de reabilitação caso se implemente o Projecto da Cidade, da autoria do Arquitecto Joaquim Massena -que já está pago, aprovado pelo IPPAR e por todos os organismos oficiais de tutela, mantém o mercado de frescos, contribui para a regeneração do tecido edificado envolvente, acrescenta espaços de cultura e de convívio, a rede de frio e de higiene, num total respeito pelas Pessoas e pelo Património edificado;

2. As mesmas obras podem já estar concluídas em 2010, garantindo ainda a manutenção do o Mercado Abastecedor;

3. Num prazo de 18 anos o custo das obras pode estar amortizados pelas actuais receitas de 850.000 € anuais, referente aos alugueres que os Comerciantes pagam, conforme o previsto nos estudos da Câmara;

4. Os Comerciantes podem ter garantida a sua condição de parceiros nesta justa reabilitação;

5. A presente proposta é ambígua e não esconde o último interesse de entregar novamente o Mercado nas mãos de privados – que igualmente não esconderam nunca o seu interesse em tornar o Bolhão numa superfície igual a tantas outras, rentável de um ponto de vista exclusivamente mercantilista mas despojado do seu carácter Humano, arquitectónico, comercial e simbólico.

A entrega do Mercado do Bolhão a privados para a exploração, como anunciou o Sr. Dr. Rui Rio em 18 de Dezembro de 2008, terá provavelmente, à semelhança do que aconteceu com o Mercado do Anjo, nos clérigos, mais um espaço abandonado.

Neste longo prazo, entre 2008 e 2010 proposto pela Câmara para a realização de um projecto, o Mercado do Bolhão e os seus utilizadores, Comerciantes e Visitantes, correm o risco, dada a fragilidade e os consequentes adiamentos de o ver desaparecer e com ele a sua alma

Compreendemos e manifestamos a nossa solidariedade com o exemplo intelectual, de Lisura e de Vida, que o Cineasta Manoel de Oliveira teve quando recusou, do Dr. Rui Rio, o Prémio que lhe queria atribuir!

Porquê adiar mais 2 anos… quando é possível iniciar em 3 meses, as obras no Mercado do Bolhão?


O Movimento Cívico e de Estudantes (www.manifestobolhao.blogspot.com)

3 comentários:

João Silva disse...

Parece óbvio. O Dr Rui Rio tem de explicar à cidade, porque é que vai adiar 2 anos para fazer obras no Mercado, só para elaborar um projecto... quando o Bolhão podia iniciar as obras já março do próximo ano...bastava apenas utilizar o projecto que a câmara tem que já está pago e aprovado pelo ministério da cultura, da autoria do arquitecto Joaquim Massena...

Os comerciantes não aguentam 2 anos naquelas condições... será que é esse o objectivo do Drº Rui Rio, para poder esvaziar o Bolhão de comerciantes?

Nuno Miguel Santos disse...

Tenho estado muito atento a esta situação do Mercado do Bolhão...

Alias fui a várias conferências que foram promovidas pelos movimentos e pela própria câmara do Porto. Em muitas delas percebi claramente que o que está em causa é mesmo a entrega do Bolhão à gestão de privados...

Sinceramente não vejo porque é que a Câmara do Porto não utiliza, nesta altura do campeonato, o projecto do arquitecto Joaquim Massena, que a câmara pagou e já está aprovado.

Eu próprio estive na conferência do orfeão do Porto e estavam exibidos imensos estudos elaborados pela faculdade de arquitectura do Porto (FAUP), pelo arquitecto Siza Vieira e IPPAR referindo-se ao projecto do arquitecto Massena, como de excelência... referia até que o projecto contempla não só a reabilitação do Mercado do Bolhão como "promove a regeneração do tecido urbano envolvente numa rigorosa preservação do Património."

O programa do projecto do arquitecto Joaquim Massena, foi elaborado pela Faculdade de Arquitectura do Porto, centro de estudos da FAUP, arquitecto Siza Vieira, arquitecta Anni Gunther, IPPAR

A mim parece-me um processo que foi tratado com muito rigor e disciplina, envolveu gente com grande peso e experiência...

É por isto que não se percebe porque não utilizar este projecto, para o efeito que se pretende neste momento... o projecto até já foi pago e aprovado pelo IPPAR...

Em minha opinião o mais sensato é pegar no projecto do arquitecto Joaquim Massena... é que está mesmo actual...

Alberto Almeida disse...

Porquê?! É tão fácil esse porquê... Porque estava tudo preparadinho para se edificar mais um SHOPPING e os nossos pseudo-governantezinhos meterem ao bolso mais uns milhõezitos, não fosse este povinho irritante com a mania de defender as suas estupidas tradicões e estragar-lhes o "caldinho". Sendo assim, há que renovar a estratégia de ataque e ir suavemente dificultando as coisas e com isso tentar enfraqueçer o movimento popular. A entrega a privados traz interesses particulares no bico, e francamente, eles estão-se nas tintas para nós e para o Património. Rui Rio é um virus letal para a nossa Invicta! Defendamos a nossa linda cidade com unha e dentes!